FANDOM

2,026,146 Pages

StarIconGreen
LangIcon
Canto I do Inferno

This song is by Arrigo Barnabé and appears on the album Façanhas (1992).

No meio do caminho desta vida
Me vi perdido numa selva escura
Solitário, sem Sol e sem saída
Ah, como armar no ar uma figura
Desta selva selvagem, dura, forte
Que só de eu a pensar me desfigura?
É quase tão amargo como a morte
Mas para expôr o bem que eu encontrei
Outros dados darei da minha sorte
Não me recordo ao certo como entrei
Tomado de sonolência estranha
Quando a vera vereda abandonei
Sei que cheguei ao pé de uma montanha
Lá, onde aquele vale se extinguia,
Que me deixara em solidão tamanha
E vi que o ombro do monte aparecia
Vestido já dos raios do planeta
Que a toda a gente pela estrada guia
Então a angústia se calou, secreta,
Lá no lago do peito onde imergira
A noite que tomou minha alma inquieta
E como o náufrago, depois que aspira
O ar, abraçado à areia, redivivo,
Vira-se ao mar e longamente mira,
O meu ânimo, ainda fugitivo,
Voltou a contemplar aquele espaço
Que nunca ultrapassara um homem vivo
Depois que descansei o corpo lasso
Recomecei pelo plaino deserto
Pé firme embaixo, mas incerto o passo
E quando o fim da jornada estava perto
Um leopardo ligeiro, de repente,
Que de pele manchada era coberto,
Surgiu e se postou em minha frente
E com tal vulto encheu o meu caminho
Que só "voltar" volteava em minha mente
Era a hora do tempo matutino:
Subia o Sol seguido das estrelas
Que o acompanhavam quando o amor divino
Moveu primeiro aquelas coisas belas
Já não temia tanto a aparição
Daquela fera de gaiata pele
À hora clara e à suave estação
Mas o temor de novo me conquista
Na imagem imprevista de um leão
Que parecia vir na minha pista
Com alta fronte e fome escancarada
Como se o ar tremesse à sua vista

Não me recordo ao certo como entrei
Tomado de sonolência estranha
Quando a vera vereda abandonei
Mas para expôr o bem que eu encontrei
Outros dados darei da minha sorte

Credits

Music by:

Arrigo Barnabé, Mané Silveira and Paulo Braga

Lyrics by:

External links